terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Depois da tempestade, vem a bonança




À primeira vista poderá parecer uma palmeira... pequena ainda. Mas aquela pinha no meio da coroa de folhas deixa-nos desconcertados. Mais ainda se tivermos de a juntar ao grupo dos pinheiros e não das palmeiras.

Esta planta, Encephalartos lehmannii Lehm., pertence ao grupo das cicadófitas, um grupo de plantas que conviveu com os dinossauros e atingiu o auge durante o Jurássico.
Nesta fase da história da Terra ainda dominavam as plantas sem flor, como os fetos e as gimnospérmicas, incluindo araucárias, cicas ou a Ginkgo biloba.
Nas gimnospérmicas, as sementes podem ter um revestimento carnudo ou não, mas nunca existe um fruto. Algumas destas sementes podem estar protegidas em cones, como nos pinheiros, nos ciprestes ou nas cicadófitas.


Os indivíduos da espécie Encephalartos têm os sexos separados, embora ambos apresentem cones. Os cones masculinos são estreitos, com cerca de oito centímetros de diâmetro, enquanto que os cones femininos, como neste exemplar, têm uma forma de barril que chega aos 25 centímetros. Os cones femininos chegam mesmo a ter o dobro do comprimento dos masculinos, atingindo meio metro. Abrem quando madurados mostrando as sementes vermelhas de cinco centímetros.


Sendo uma planta sul-africana ocorre em zonas semi-áridas, com Verões muito quentes e Invernos muito frios, onde os períodos de seca são longos e frequentes. A sua capacidade de sobrevivência nestas condições extremas fazem dela a espécie de cicadófita mais resistente à seca na África-do-Sul.
Mas na verdade, são os períodos de chuva intensa, como se tem vivido em Lisboa nos últimos meses, que estimulam estas plantas a produzir os seus cones.

Porém, a seca extrema nos locais de origem – impedindo a formação de cones, logo a reprodução –, a pressão do gado caprino que se alimenta das suas folhas e o excesso de colheita para venda como planta ornamental, são as principais causas de ameaça a esta espécie.

A planta Encephalartos lehmannii foi descrita pelo botânico alemão Johann Georg Christian Lehmann, que publicou um livro sobre cicadófitas em 1834. Se lehmannii vem do nome do seu autor, encephalartos (cabeça + pão) poderá estar relacionado com o facto de fazerem farinha a partir da medula macia do seu caule.

(Vera Novais, Bióloga e Comunicadora de Ciência)

"O autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico."

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Projecto 121 vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa 2013

Com 7553 votos, mais de um quinto do total e uma distância superior a 6.000 votos do segundo projecto aprovado na mesma categoria, o Projecto 121 foi o vencedor do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Lisboa 2013. Obrigado a todos os que votaram, participaram e apoiaram a campanha. Esta vitória só foi possível pelo enorme empenhamento de todos.


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Ceiba speciosa (A. St.-Hil.) Ravenna

Chorisia speciosa A. St.-Hil.


Nomes Vulgares: Paineira-Branca; Barriguda, entre outros.
Área de distribuição: Brasil, Argentina, Bolívia.

Trata-se de uma árvore da família das Malvaceae Juss. podendo atingir mais de 30 m de altura, com um tronco acinzentado esverdeado, fotossintético, auxiliando o seu crescimento. Apresenta no tronco uns espinhos muito característicos que tendem a cair quando a árvore é adulta especialmente na parte inferior. A base desta espécie tende a alargar em forma de “barriga” daí o nome vulgar “barriguda”.
Esta espécie tende a perder as folhas no final do outono, pouco antes de dar inicio à sua espetacular floração. As flores apresentam uma dimensão considerável com cinco pétalas rosadas como se pode observar nas imagens. Neste momento encontra-se em floração.
Seguidamente dá origem a frutos em forma de pêra com inúmeras sementes no interior de uma massa de fibras brancas.
É considerada uma das mais espectaculares árvores ornamentais.


Localização no Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural e da Ciência.
Exemplar de dimensões mais elevadas localizado aqui.










Clatro-vermelho no Jardim Botânico


O Clatro-vermelho (Clathrus ruber P. Micheli ex Pers.) cujo nome científico deriva de duas palavras latinas Clathrus= grelha e ruber= rubro, é um cogumelo bastante peculiar pelo aspecto que apresenta e pelo cheiro a carne podre que exala.


Clatro-vermelho maturo

No início parece um ovo branco (4-7 cm), que pode passar incógnito ao visitante menos atento, mas que durante a maturação se torna facilmente visível quando ao abrir expõe o corpo frutífero esponjoso, de cor vermelha e textura rugosa em forma de gaiola mais ou menos oval. O interior desta estrutura está revestido por uma massa de esporos viscosa e esverdeada que confere o odor a carne em putrefacção e que serve para atrair os insectos. Estes ao serem atraídos promovem a dispersão dos esporos.
É uma espécie pouco frequente na Europa, mas bastante comum na Península Ibérica.


Clatro ainda em forma de ovo

Cresce isolado ou em grupo



quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Feira no Botânico - A Cidade e as Serras: mais natureza e seus produtos no Botânico - Sábado 19 de Outubro - 11h00 às 18h00

Bolachas, queijos, ervas aromáticas, compotas, pão e sabonetes num dia cheio de cores, cheiros e sabores, que promete apelar a todos os sentidos.

É já no próximo Sábado, dia 19 de Outubro, no Jardim Botânico, na Feira ''A Cidade e as Serras: Mais Natureza e seus Produtos no Botânico''.
A entrada é livre, das 11h00 - 18h00.
Contamos convosco. Participem!
VOTE NO JARDIM BOTÂNICO
Envie SMS gratuito para 4646 com a mensagem OPLX [com um espaço] 121
Vote em http://lisboaparticipa.pt/
Saiba mais em www.mnhnc.ul.pt



quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Feira no Botânico - ''Pés e Feijões - Mais jogo e movimento no Botânico'' - Sábado 12 de Outubro 2013 - das 11h00 às 18h00

Jogos, danças, cantares, tradição, muito movimento e alegria no próximo Sábado, dia 12 de Outubro, na Feira ''Pés e Feijões'' no Jardim Botânico.
Esperamos por todos a partir das 11h00! Tragam filhos, sobrinhos, amigos para uma tarde que será de muito divertimento.
A entrada é livre, das 11h00 - 18h00.

Contamos convosco. Participem!

VOTE NO JARDIM BOTÂNICO
Envie SMS gratuito para 4646 com a mensagem OPLX [com um espaço] 121

Vote no Jardim Botânico. Vote no Projecto 121 do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Lisboa.
Envie SMS gratuito para 4646 com a mensagem OPLX (espaço) 121.
Vote em http://lisboaparticipa.pt/



segunda-feira, 7 de outubro de 2013

PROJECTO 121 - RENOVAÇÃO DO JARDIM BOTÂNICO DO MUHNAC / ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2013

video

PROJECTO 121 - RENOVAÇÃO DO JARDIM BOTÂNICO DO MUHNAC, candidato ao ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2013.

As propostas deste projecto incluem a renovação de caminhos e sistema de circulação de água, a criação de um jardim mediterrânico, a instalação de esplanadas e quiosques, uma zona de relvado para lazer e a abertura do portão que dá acesso à Praça da Alegria.

Contamos com a sua participação. Contamos com o seu voto!

Divulgue e partilhe este vídeo!

Vote no Projecto 121.Envie SMS gratuito para 4646, com a mensagem OPLX (espaço) 121.
Vote em http://www.lisboaparticipa.pt/